Voz Missionária

Setembro / Outubro 2021

O salgueiro sou eu sob o Espírito derramado

A revista Voz Missionária completa 92 anos de existência: Jubileu de Salgueiro. A capa desta edição não poderia deixar de ter a foto de um salgueiro. Vendo a imagem bonita e imponente do salgueiro, lembramos que das suas alcunhas é o salgueiro chorão. Lembramos quantas lágrimas o mundo e nosso País têm derramado nos últimos tempos. A pandemia trouxe separação, doenças, perdas, sequelas, insegurança e doença inesperada. Famílias foram separadas; famílias foram dizimadas; o sofrimento e as lágrimas tornaram-se companheiras inseparáveis.

A Bíblia afirma que Deus não somente nos conhece pelo nome, mas conhece a nossa realidade. Deus revela-se como Aquele que conhece o Seu povo: Deus diz que viu o sofrimento do Seu povo, ouviu o Seu clamor, conhece-lhe o sofrimento e, por este motivo, desceu para livrar o Seu povo. Imaginamos que a nossa dor e sofrimento são só nossos. Mas, o Deus que nos conhece sabe exatamente onde estamos e se importa conosco. Assim como Ele se importa conosco, promete caminhar ao nosso lado como prometeu a Moisés.

Estamos no ensaio da superação da pandemia provocada pelo corona vírus. O mundo e o nosso País vivem a esperança de atingir um novo tempo e alcançar margens tranquilas em nossa vida. Nossa revista, que já viveu tantos tempos diferentes, difíceis, alegres e incertos; sofremos e choramos com a pandemia e procuramos ficar ao lado da mulher metodista – quando nos foi permitido. Esperamos e oramos para que possamos enfrentar um novo tempo. Será um novo tempo porque Deus quer entrar em cena e realizar grandes coisas em nossas vidas e por nosso intermédio. Precisamos caminhar sempre na certeza de que Deus está conosco, ouvindo nosso clamor, enxugando nossas lágrimas e agindo em nossas vidas.

Que tenhamos a tranquilidade do salgueiro e sejamos capazes de produzir vida, cura e restauração por meio dos textos publicados nas páginas da nossa tão amada e especial revista: Voz Missionária. “E brotarão como salgueiros junto aos ribeiros das águas”.